12 de março de 2017

'novela'

Ontem, durante a transmissão do jogo Tondela 1-4 Sporting, no final da 1a parte, pudemos ouvir ao diálogo entre Matheus Pereira e Jorge Jesus. Foi interessante - é sempre interessante ter acesso aos "bastidores" do espectáculo - mas também foi uma... filha da putice. Não é normal a Sporttv facultar o audio junto aos bancos de suplentes, assim, de uma forma tão propositada. E nota-se que é propositada porque quando a imagem de Matheus e Jesus surge no écrã, não há audio e apenas alguns segundos depois é que começamos a ouvir JJ a dizer a Matheus para "jogar como treina". Certamente, ordem do realizador, após ter ouvido o narrador (Rui Orlando) e o comentador (Freitas Lobo) mencionarem o facto de haver um diálogo entre treinador e jogador. Ok, foi um diálogo interessante, refrescante, ao ponto de ter feito notícia no site do Record.




Agora... e se JJ estivesse a mandar Matheus para o caralho? Ou a dizer-lhe para espetar uma porrada do defensor? Ou qualquer outra coisa de foro "privado" e que só interessava aos envolvidos? Teríamos 'novela' para uma semana e a CMTV, TVI24, SIC N, etc, a esfregarem as mãos.


8 de março de 2017

Mais nada

No último post que coloquei, apenas com o vídeo das declarações de BdC na noite eleitoral, um leitor escreveu o seguinte comentário, o qual resolvi publicar, pois concordo com ele inteiramente.





"Já ninguém liga a estes comentadores e isso ficou bem provado nestas eleições. Os comentadores de TV e os jornalistas de papel estavam convencidos que as suas opiniões, notícias e boatos iriam influenciar o resultado em favor do City Lion. Ficou bem provado que a sua influência é nula.
As pessoas inteligentes já conhecem esta gente. Já sabem ao que vêm e com que propósito. Já sabem que das suas bocas e canetas só saiem duas coisas: mentiras e azedume.
Quanto às pessoas fracas de cabeça, essas nunca serão convencidas com factos e provas. Já têm a sua opinião formada, acreditam no que querem acreditar e não vão mudar o seu ponto de vista por mais que lhes mostrem preto no branco que aquilo em que acreditam é mentira.
O que quero eu dizer com isto? Quero dizer que não vale a pena perder tempo com esta corja de avençados. Acaba por ser o Sporting, principalmente através do Presidente e do director de comunicação, que dão mais eco e força às mentiras desta gente. O meu conselho ao Presidente é que ignore o que esta gente diz e escreve. Os posts no Facebook (tanto de BdC como de Nuno Saraiva) só acabam por dar mais visibilidade às mentiras daquela corja. Ignorem-nos. E quando um qualquer André Ventura desta vida disser ou escrever uma mentira, é publicar um simples comunicado "O que o senhor bardamerda número 5 disse é mentira e o Sporting agirá judicialmente contra ele". Mais nada."

16 de fevereiro de 2017

(Ainda) do Palhinha e da hipocrisia

Quando Jorge Jesus, até contrariando o mito de que nunca se dá como culpado nos maus momentos, assumiu ter “dado o guião errado” a Palhinha no jogo do Dragão e lhe apontou os maus primeiros 30 minutos (que acho que todos vimos, tal como os bons restantes 60), a imprensa, com o seu habitual moralismo fácil e superficial, foi incrivelmente rápida a fazer sobressair essas palavras, muitas vezes descontextualizado e mentido, até. Em segundos, estavam as lanças todas apontadas. A JJ, que, de repente, em vez de ter apontado naturalmente um momento individual do jogo, já tinha culpado, criticado e queimado o jogador; ao Sporting, que rapidamente descobriram ter recuperado os miúdos dos empréstimos para nada; e ao próprio Palhinha, que tornaram num coitadinho incapaz e violentado. E essa é a maior ironia de todas: a imprensa, enquanto criticava Jesus por aparentemente queimar o miúdo, fazia exactamente o mesmo. Todos podiam ter desfeito logo a falsa questão, chamando à razão os que iam na polémica e, para quem acha que JJ o criticou mesmo, o próprio treinador. Teria sido tão fácil exaltar tudo o que de bom ele fez nos minutos que se seguiram à primeira hora, pegar nas estatísticas que até foram (bastante) superiores às de Danilo, reforçar que o discurso do treinador só referiu aquela meia-hora e nada disse sobre o resto do jogo, pegar noutros casos em que JJ individualizou sem que isso quisesse depois dizer que deixasse de acreditar no jogador em causa, etc. Mas todos os meios de comunicação preferiram o fácil, atacando o monstro do treinador e fazendo de vítima o indefeso do miúdo (arte em que se têm especializado, com os jogadores do Sporting a serem os coitadinhos que recebem pouco, que estão presos, que levam com gritos, que são chamados à atenção em público, etc.) Alimentaram a polémica, chamando o seu nome para o tribunal da opinião pública, com a ideia adquirida de que esteve mal, foi culpado, etc. (o que JJ no fundo nem disse, ainda por cima). Ou seja, quem criticou JJ por prejudicar o Palhinha acabou por fazer exactamente o mesmo.
Hoje, esses santinhos da imprensa, que supostamente defendem sempre os oprimidos dos adultos, conscientes, profissionais, bem pagos, que são os jovens jogadores do Sporting, não hesitaram em atacar mais um deles, dizendo que o Francisco Geraldes foi, "contrariado" e "forçado", despromovido para a equipa B (quando, curiosamente, Rui Pedro foi só ajudar o Porto B, para depois voltar à equipa principal). Sei que também este é um não-assunto, até porque todos sabemos o valor do Xico. A questão aqui é o quão exposta fica a hipocrisia dos media deste país, que fazem de Jesus uma besta por simplesmente individualizar um jogador (que ele próprio lançou), mas todas as semanas aproveitam todas as oportunidades que têm para fazer muito pior, tentando queimá-los mesmo antes de começarem. Sei que já estamos fartos de saber desta dualidade (e por vezes má intenção, mesmo) do jornalismo português, mas é sempre bom deixá-la à vista, até porque penso que, neste tema particular da formação, vai acentuar-se cada vez mais.

A aposta de JJ na formação do Sporting não é só isso. É o desmoronar de uma teoria que o Benfica e todos os seus "aliados" têm montado ao longo dos últimos anos. Se se confirmar a sua aposta na formação no Sporting (como tudo indica, com Gelson, Semedo, Esgaio, e agora Geraldes, Palhinha e Podence), constata-se que afinal não foi pela aversão de JJ à formação, que eles tanto têm apregoado, que o Benfica não apostou na academia ao longo destes anos. E isso reabre a questão: então, por que motivo foi? E é essa discussão que eles querem ao máximo evitar. Porque vai desaguar naquilo que sempre soubemos: simplesmente porque a formação do Benfica nunca foi boa o suficiente. É por isso que estes miúdos são tão importantes, é por isso que têm tantas lupas apontadas a si, é por isso que todos torcem para que falhem. E é por isso que temos de ser duplamente cuidadosos neste tema. Não ir em conversas fáceis e polémicas. Dar-lhes tempo, sempre com a exigência e a seriedade habituais. Por um lado, até é bom. Esta pressão toda vai funcionar como um teste: não só ficam já a perceber que pertencer ao Sporting é ter muita gente contra nós, como ficamos nós a perceber se têm ou não o que é preciso para nos representar, porque sinceramente, um jogador que não aguenta ouvir o país a falar sobre uma frase que o treinador disse sobre ele não interessa muito ao Sporting. Felizmente, até aqui, na minha opinião, e ouvindo as suas declarações na academia depois do clássico, têm todos passado no teste.